Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

AS MINHAS VIAGENS

PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL: DAS FRAGAS DE S. SIMÃO A ALMOUROL

18.04.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

IMG_8201.JPG

A natureza regenera-se e revigora a nossa existência. Depois dos violentos incêndios na zona Centro em 2017, a paisagem mudou mas a essência permanece. A pandemia afasta os visitantes em espaços que trazem paz de espírito e convidam à reflexão. Momentos únicos de relaxe entre sombras de árvores frondosas e o sussurro das águas límpidas e cristalinas que correm entre pedras e árvores até chegarem ás grandes barragens ou ao grande rio.

A capacidade de regeneração da floresta está bem patente neste pedaço de Portugal. A variedade cromática da flora e da floresta é enorme, o verde e o amarelo (das giestas) predominam assim como roxo das lavandas.

Desafiamo-lo a passeio de 2 dias, um fim-de-semana realmente relaxante e revigorante em plena natureza, onde montanha e praias fluviais confluem em diversas zonas de lazer e as albufeiras das barragens oferecem condições excelentes.

De Norte ou de Sul, percorra a A1 até Pombal e siga em direcção ao IC8 e a Avelar. De Sul ou de Norte pode ainda optar pela A13 ou pela N2. Facilmente encontrará o nosso primeiro ponto de paragem: A Aldeia de São Simão, aldeia de xisto, e as Fragas e Praia Fluvial de São Simão e os seus passadiços.

Do Miradouro é possível verificar a enorme dimensão do espaço, os penhascos plenos de vegetação e a caírem a pique em direcção ao ribeiro que serpenteia bem lá no fundo, por entre as rochas e os troncos das árvores até atingir o espaço magnífico e idílico da praia fluvial. Uma cascata faz as delícias dos mais atrevidos (sim porque a cristalina água é bem fresquinha).

Regressamos, depois, ao IC 8 e em direcção a Pedrógão Grande, uma das zonas mais fustigadas pelos incêndios em 2017 e lovgo na rotunda à entrada da vila o monumento aí erigido não nos deixa esquecer esses momentos de aflição e de terror. A imagem é forte, com os bombeiros a salvarem pessoas de uma janela. É uma das imagens que marcou esta nossa passagem por esta vila onde a igreja matriz é também de visita obrigatória. Há boa restauração e alojamento hoteleiro.

Seguimos para Pedrógão Pequeno atravessando a magnífica Barragem do Cabril, com um majestoso espelho de água, a convidar aos desportos náuticos e ao lazer nas suas margens.

Prosseguimos em direcção a Sul com o Zêzere como companhia. Chegamos à Barragem do Castelo do Bode, muito próxima da sua capacidade máxima. E daí até Constância, onde o grande Luís Vaz de Camões tem um lugar especial, confluem os rios. Rapidamente atingimos o Castelo de Almourol, construído numa pequena ilha bem no meio do Tejo e acessível apenas de barco.

 

Deste ponto e tendo o Tejo por perto, saímos em direcção ao Entroncamento e à A23 para nos dirigirmos em direcção a Lisboa.

Algumas referências aos principais pontos e concelhos desta curta rota, a partir da wikipedia (www.pt.wikipedia.org)´:

  • Figueiró dos Vinhos

“Figueiró dos Vinhos é uma vila portuguesa do distrito de Leiria, na província da Beira Litoral e integrando a Região de Leiria no Centro de Portugal, com cerca de 2 000[1] habitantes. A esses, chamam-se "Figueiroenses".

É sede do município de Figueiró dos Vinhos[2] com 173,44 km² de área[3] e 6 169 habitantes (2011),[4][5] subdividido em 4 freguesias.[2] O município é limitado a norte pelo município da Lousã, a leste por Castanheira de Pera e Pedrógão Grande, a sudeste pela Sertã, a sul por Ferreira do Zêzere, a oeste por AlvaiázereAnsião e Penela e a noroeste por Miranda do Corvo.

A vila de Figueiró dos Vinhos dista 69 km da cidade de Leiria, a capital de distrito, 52 km da cidade de Coimbra e 99 km da cidade de Castelo Branco.”

  • Pedrógão Grande

“Pedrógão Grande é uma vila portuguesa do distrito de Leiria, na província da Beira Litoral, integrando a Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria, na região do Centro de Portugal, com menos de 2 000 habitantes.[1]

É sede do município de Pedrógão Grande que tem 128,75 km² de área[2] e 3 915 habitantes (2011),[3][4] e está subdividido em 3 freguesias.[5] O município é limitado a noroeste pelo município de Castanheira de Pera, a este por Góis e Pampilhosa da Serra, a sudeste pela Sertã e a oeste por Figueiró dos Vinhos. Dista cerca de 70 km de Leiria, a sua capital de distrito, cerca de 85 km de Castelo Branco e cerca de 60 km de Coimbra.”

  • Castelo de Almourol

“A ilha de Almourol é uma ilha no rio Tejo, conhecida pelo Castelo de Almourol nela situada. Fica situada na freguesia da Praia do Ribatejo, concelho de Vila Nova da Barquinha. Tem 310 m de comprimento por 75 m de largura e fica no médio curso do rio Tejo, um pouco abaixo da sua confluência com o rio Zêzere.”

 

Texto: António Lúcio e www.wikipedia.org

Fotos: Dina Pelicho e António Lúcio

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.