Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AS MINHAS VIAGENS

AS MINHAS VIAGENS

Qui | 01.12.22

HISTÓRIAS DA MINHA INFÂNCIA E JUVENTUDE (7)

UM ERRO HISTÓRICO…NUM CORTEJO HISTÓRICO-ETNOGRÁFICO

camoes3.jpg

Participei durante vários anos nos Cortejos Histórico-Etnográficos que se realizavam no 1º domingo das Festas e Feira de Verão de Sobral de Monte Agraço e que atraiam até á sede do Concelho milhares de visitantes e interpretei os diversos papéis com todo o respeito que as personagens implicavam. E confesse que gostavam imenso desse convívio e da responsabilidade com que o Amílcar Leitão e o Rui Corado Batista tratavam de tudo para que nada falhasse. Era muita gente envolvida e coordenar tudo não era tarefa fácil.

Os trajes vinham de Lisboa, trajes de época, nem sempre muito agradáveis ao toque mas, que a todos nos deixavam imponentes, como autênticas figuras da época que representávamos e cujos quadros tinha sempre a ver com história do Sobral. Havia uma equipa de maquilhagem liderada pela Maria Natália, se não me falha o nome, que a todos deixavam com feições à época, e onde as senhoras, com as duas empoadas cabeleiras e lindos vestidos, davam fortemente nas vistas.

Até que num desses cortejos havia um quadro evocativo do grande escritor e poeta português Luiz Vaz de Camões, que ia acompanhado das suas inspiradoras musas, as ninfas do Tejo. E calhou-me a mim dar vida à personagem. No momento da caracterização surgiu a dúvida. Em que olho usava Camões a pala devido a ter ficado cego de uma vista? Da esquerda ou da direita? Não havia certezas e nem sequer a internet era algo em que se pudesse pensar.

Eu teimei que era do olho esquerdo, outros que era do direito. E eu avancei e cumpri todo o percurso com a pala colocada sobre o olho esquerdo quando, na realidade, o deveria ter feito com ela a tapar-me a vista direita. Um crasso erro histórico pois bastava que em casa tivesse ido ver “Os Lusíadas” e nada disto teria acontecido. Passou despercebido à esmagadora maioria dos assistentes ao cortejo.

Recordo com saudade esses momentos que terminavam com um bom convívio na garagem da Câmara e onde a diversão era garantida.

Um obrigado ao Amílcar Leitão e ao Rui Corado Batista por nos terem proporcionados estas experiências e vivências únicas.

01/12/22 Sobral de Monte Agraço

António Lúcio