Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AS MINHAS VIAGENS

AS MINHAS VIAGENS

ÉVORAMONTE – UMA RIQUEZA MONUMENTAL NO CONCELHO DE ESTREMOZ

20.05.22 | António Lúcio / Barreira de Sombra

IMG_7831.JPG

Num dos pequenos roteiros de fim-de-semana, saindo de Lisboa em direcção a Estremoz, encontramos a estrada para Évoramonte, conhecida por ter sido palco da assinatura da Convenção que leva o seu nome e que foi assinada em 26 de Maio de 1834 pondo termo à guerra entre absolutistas e liberais, travada enter 1832/1834 e que definiu o exílio do infante D. Miguel.

De acordo com dados da wikipedia.pt, Évoramonte é uma freguesia do concelho de Estremoz, tem uma área de 99.38 km2 e 506 habitantes segundo os Censos de 2021. Esta localidade teve foral em 1248 e fez parte quer do património da Casa de Bragança quer do concelho do Vimieiro até 1846, data em que este foi extinto. Desse ano até 1855 foi sede do concelho de Évoramonte e teve 5 freguesias. Chegou a ter mais de 3 mil habitantes em 1849.

Castelo de Évora Monte, foi erguido num dos pontos mais elevados da Serra de Ossa, e do alto dos seus muros pode dominar-se uma vasta extensão de território em todas as direcções.

Num Decreto publicado em 23 de Junho de 1910 quer a cerca da vila quer o castelo foram considerados Monumento nacional, tendo havido diversas campanhas e trabalhos de consolidação e restauro nas décadas de 30 e 40 do século passado e ainda entre 1971 e 1987.

No ano de 2021, deixou de ser tutelado pelo Governo passando para a responsabilidade da Câmara.

De acordo com o site wikipedia.pt, as características do castelo são as seguintes: “O castelo, em alvenaria de pedra e cantaria de granito, apresenta planta quadrangular, com torreões circulares nos vértices, misturando elementos do estilo gótico com outros do estilo renascentista de inspiração italiana. Internamente divide-se em três pavimentos, com tetos em abóboda, assentes em pilares de cantaria. Nos torreões mais largos na base do que no topo, rasgam-se viseiras. Os panos são ornados com nós esculpidos em pedra, típicos do estilo manuelino”

Textos: António Lúcio e www.wikipedia.pt

 Fotos: Dina P. e António Lúcio

CASTELO

INTERIOR

EXTERIOR